Por Ricardo Stumpf Alves de Souza

domingo, 21 de fevereiro de 2010







A Necessidade da Arte


 
      Queridos leitores


      A arte é expressão da alma, do pensamento e do sentimento, mas diferentemente da ciência ou de outras atividades humanas, usa a poesia para se expressar.
      Há poesia nas artes plásticas, na literatura, na dança, na música, no teatro, em toda arte que reflete a experiência humana na terra, essa breve experiência da vida de cada um de nós. Mas arte é, antes de tudo, uma necessidade de expansão.
      O humano dentro de nós não se contenta com a rotina do dia a dia. Precisa de mais, precisa de amor, de sonho, precisa de um horizonte que o leve a prosseguir na sua jornada. Essa necessidade é que nos distingue dos outros animais, porque ela é, antes de tudo, aquilo a que chamamos inteligência.
      Sim, amigo leitor, inteligência não é apenas uma capacidade cerebral, medida por um Q.I. Inteligência é antes de tudo uma atitude, é estímulo ao cérebro e é o cérebro que registra e processa todas as nossas sensações, captadas por todos os nossos sentidos, que são muito mais do que os 5 ou 6 que a nossa educação, ainda tão escolástica, ensina.
      Alguns buscam essa expansão através das drogas, procurando tristemente, numa ilusão passageira, a expansão que suas mentes embotadas não conseguem realizar. Mas é na arte que essa expansão acontece verdadeiramente, é ela que nos liberta desse pequeno mundo material em que vivemos e nos permite voar, nos permite ir longe, muito longe, muito além da imaginação.
      E nesse voo da arte é que conseguimos enxergar as possibilidades de mudança, que conseguimos vislumbrar as utopias, que vem ao encontro dos desejos mais profundos e secretos das nossas almas, e assim vamos construindo novos mundos, num movimento incessante de crescimento da humanidade.
      Mas para que essa expansão aconteça, o artista precisa de duas condições fundamentais: liberdade de criar e condições de sobreviver com dignidade. A arte não é uma atividade econômica em si, embora em volta dela se crie um mercado e uma dinâmica comercial que permitam que muita gente viva dela. Mas o ato de criação, em si, não pode ser voltado para o ganhar dinheiro, sob pena de se corromper, de se degradar, sob pena de se tornar apenas um instrumento e não um objeto cujo maior valor está em si mesmo.
      Quantos artistas se perderam no comercialismo, procurando um caminho mais fácil e não encontrando nada além dos bens materiais que conseguem adquirir com seus lucros. Não há expansão nisso, não há inteligência, nem busca, nem sonho, nem crescimento.
      Por isso a arte precisa ser patrocinada, para que o artista possa criar sem se preocupar se vai ter o que comer amanhã, se vai poder sustentar sua família ou poder comprar os materiais que precisa. Depois, se muitos vão ganhar dinheiro com isso, se o próprio artista vai ganhar dinheiro, ótimo, não importa, desde que a arte não esteja condicionada a isso.
      Por outro lado, a liberdade é o oxigênio da criação. Não se pode criar andando pelas ruas estreitas de regulamentações, ordens, interesses de qualquer tipo, restrições políticas, ideológicas, religiosas ou morais.
O artista precisa de avenidas largas, para poder soltar sua criatividade, sem limitações, sem restrições, embora nada impeça que seu trabalho esteja atrelado a objetivos práticos.
      Um exemplo é o carnaval. Vejam como os carnavalescos das escolas de samba conseguem criar coisas fantásticas dentro dos objetivos e normas das escolas de samba. Nâo é isso que os tolhe. Delimitado o espaço prático para o exercício de sua arte, eles soltam a imaginação, sem censura, sem limites, e a cada ano aparecem novas expressões naquela incrível festa de alegorias e coreografia.
      Portanto, a arte para se desenvolver precisa de um ambiente de estímulo e liberdade. Sem ele não há espaço para o artista e para o desenvolvimento da cultura humana, pois os artistas, como já disse alguém, são as antenas da humanidade. São os precursores, os que advinham o futuro, os que abrem os caminhos.
Uma sociedade que não entende isso está condenada ao atraso e à decadência, aos egoísmos mesquinhos e à mediocridade.

Abraço a todos

Ricardo Stumpf




5 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Claudete disse...

Você conseguiu decifrar a alma do artista e disse de forma comovente quais são as suas necessidades, que na verdade são básicas como as de qualquer ser humano, com a diferença que o artista é um ser especial, visionário e sedento de liberdade para se expressar.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
joao carlos souto disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Ricardo Stumpf disse...

Os comentários de um anônimo, fazendo acusações pessoais e a resposta do acusado, foram removidos.
O objetivo deste blog é a troca de opiniões que, mesmo quando sejam discordantes, devem ter como base o respeito, a moralidade e a legalidade.
Não é possível aceitar acusações sérias feitas sob manto do anonimato.